Será

A inteligência sem amor, te faz perverso
A justiça sem amor, te faz implacável
A diplomacia sem amor, te faz hipócrita
O êxito sem amor, te faz arrogante
A riqueza sem amor, te faz avaro
A docilidade sem amor te faz servil
A pobreza sem amor, te faz orgulhoso
A beleza sem amor, te faz ridículo
A autoridade sem amor, te faz tirano
O trabalho sem amor, te faz escravo
A simplicidade sem amor, te deprecia
A oração sem amor, te faz introvertido
A lei sem amor, te escraviza
A política sem amor, te deixa egoísta
A fé sem amor te deixa fanático
A cruz sem amor se converte em tortura
A vida sem amor… não tem sentido

Tempo frio

Tempo frio, cai a neve.
Tempo quente, brilha o sol.
Entre um e outro canta o rouxinol.
Para que tudo isto serve?
Tempo bom, planta o grão.
Tempo de chuva, germina a semente.
Entre um e outro
Para tudo isto serve o chão.
Tempo de amor, tempo de paixão.
Deste tempo surgiu um grão
Cresceu rodeado de muita esperança.
Veio a chuva e novamente o rouxinol

Hoje cem anos; cheios de muita lembrança

Um soneto

A tanto custo eu busco conquistar,
Sem recursos, sem triunfos, sempre a penar,
Com a esperança que me vejas radiante.
Por quem clama essa alma abençoada,
Que teima deixar-me em profundo estupor,
Retira minhas vestes, abala meu pudor,
Ri de minha vida já tão banalizada.
Diz em alto tom que nada sou para ti,
Que tenho que sofrer, tenho que partir,
E que eu carregue este peso na consciência.
Decerto, como sempre, obedecerei,
A você, mulher que mais amei,
Nesta vida de percalços e turbulência.