Sobre o amor

Para onde vou com tanta tristeza!?
Somente à beira de um penhasco!
E, onde deposito esta alegria!?
No coração limpo, nunca incauto!
Como traduzir-me!?
Pobre de minha alma, ao lidar
com vários eu….se aprisionou!
Minha mente, fadigada e sonhadora,
Se reencontra, sempre no silêncio….
E, vendo-me um ser repugnante,
convicta, consegui resignar…aceitar!
Joguei-me aos extremos, para
viver apenas de amor, tirei o ódio
Tirei toda vastidão de sentimentos ruins!
Pois no silêncio reencontro-me….
Sigo convicta, de que o amor,
sempre será preciso, e o resto
impreciso…
Como traduzir-me?
Desvairada, rude, morosa, inconstante,
Mas o amor sempre sobre minha essência…!
 Amor sempre.

Me diz

Queres me confundir?
Estou imensamente louca,
de amor por ti…
És aquele que tanto aprecio
que arrepia-me!.
Veio do nada me amarrou,
na sua vida!
Fiquei sem saída…
Agora sinto-me vítima…
Insano querer!
Quero tê-lo em meus braços,
no calor dos seus abraços!
No seu adormecer e flutuar,
fazer-te mil ternuras!
Quero ser sua dama!
Chama-me…
Tu sabes que sou exagerada,
Mas chega de drama!
Venha!
Sussurra no meu ouvido,
Diga que Ama-me…
É até o nascer do dia,
Estarei aqui contigo…
Ofegante ao sentir-te..
Amada e alucinada!
Me joga pelas bordas,
Da nossa cama!
Venha logo Amor !
Busca-me estou te esperando..!

Afinal! O que quer?

Sim, é amor, vontade de querer

Sempre e sempre estarei com você.

Prometo que nunca irei te esquecer…

.

Mas, prometa que perto, sempre estará?

Mesmo que não possa reconhecê-lo..

.

Apenas prometa?!

O resto você decide o que fazer..

Pois, eu já cansei de tanto sofrer,

Já não quero depender de você..

.

Enfim,

Quero me refazer e amadurecer!

Agora chega! Ou irei me despedir de você..

Cansei de meio termo, apenas me Ama!

Não sou inimiga!

Pare com tantos porquês!?

Só assim, serei sua, somente sua!

Esse vulcão entrará em erupção,

Prova p’ra ver,

Meu poeta do Amor.